Como tirar um visto de esposa/marido para a Inglaterra

By 0 Permalink 0

[wds id=”1″]Oioioioioioioi, galera de cowboy! Tudo legal por aí? Espero que sim!

ENTÃO. Senta que lá vem mega texto, porque hoje estou aqui para explicar como tirei o visto para vir morar na Inglaterra. Recapitulando um pouquinho, no fim de 2015 o Daniel foi convidado a vir para a Inglaterra, contratado pela mesma empresa que ele trabalhou na Índia. Em fevereiro do ano passado eu vim como turista e, entre maio e agosto, fiquei no Brasil por conta do visto. Mas NOOOSSAAA! Demora isso tudo mesmo? Não, caso você não erre, como eu. Então o post de hoje é dedicado a você, que vai aprender com os meus erros! Own!

É aqui que você aprender com meu pior erro:

Antes de ir para o Brasil em maio, eu e Daniel compramos minha passagem na TAP, pelo preço de 638 libras, ida e volta. Então migos, por favor, por motivos óbvios, NÃO FAÇAM ISSO NUNCA PLMRDDS.

Acontece que é claro que as coisas podem dar errado e aí você vai ter que gastar mais uma graninha boa pra remarcar a passagem que não era remarcável desde o início (gastei R$1021 a mais pra remarcar). Então, caso você venha do país que você vai tirar o visto, compre o tipo de passagem remarcável que aí você não paga a multa.

Compramos a passagem para descer em Brasília, já que meu irmão mora lá. Ia ser tudo ótimo não fosse pelo fato de que a data mais próxima de BSB já seria perto do dia de eu voltar. Então tive que comprar uma passagem de ônibus para o Rio de Janeiro (as passagens de avião estavam próximas de mil reais e a de ônibus era cerca de R$200 ida e volta), que era o local com a data mais próxima.

O tipo errado de visto pra Inglaterra

Aqui aconteceu outro erro no meu processo. O que rolou: Quando preenchemos o formulário de requisição ainda aqui na Inglaterra, levamos em consideração que o Daniel era residente dessas terras de cá, já que ele tem uma carteira de permissão de residência, que funciona como uma identidade daqui. A verdade é que ele só tem essa permissão. Ele não é residente, mas, sim, um estrangeiro que trabalha por aqui mesmo. O que dói o coração é que o tipo de visto para residente é o mais caro de todos e é o que leva mais tempo para análise. Ou sejam, perdi grana me inscrevendo pro visto errado, perdi tempo porque esse tipo leva mais que o dobro de avaliação e perdi mais grana, porque eu tive que remarcar minha passagem. Isso sem contar a frustração que é ter um visto negado. Entreguei os documentos no dia 17 de maio e os recebi de volta no dia 04 de julho. Realmente negado.

A boa notícia era que ele havia sido negado por um erro, não por eu não ser uma pessoa qualificada. Recebi um documento dizendo o motivo da recusa (Daniel não ser residente) e a pessoa que analisou também disse que eu podia tentar novamente, indicando o tipo de visto correto para o meu caso. 🙂

Parece que o jogo virou, não é mesmo?

Depois de ficar em um luto de uns 3 dias, a única saída que eu tinha era, bem, tentar de novo. Eu não tinha outra escolha. Ou eu não queria outra coisa. Aí a maré boa veio. Apareceu um colega de trabalho do Daniel que teve que fazer exatamente o mesmo processo pra esposa dele e, então, ele passou todos os documentos que deveríamos apresentar. No site do governo britânico também tem uma lista, mas seguimos a do colega, porque, né? O visto da esposa dele foi aprovado. Então estava ótimo, porque já tínhamos o tipo de visto correto (dado pelo analista) e quais documentos deveríamos fornecer.

Lista de documentos

Agora, amiguinhos, para tirar o visto Tier 2 partner, você vai precisar de:

  • Passaporte atual;
  • foto de tamanho para passaporte (Rio e SP não precisa, porque tira na hora, já BSB ainda precisa);
  • formulário de inscrição impresso e assinado;
  • recibo de pagamento da inscrição;
  • extrato bancário com, no mínimo 630 libras, durante 90 dias – seu ou da pessoa que é sua patrocinadora;
  • número de IHS – você recebe por e-mail assim que paga;
  • recibo de pagamento do IHS;
  • 06 meses de contra-cheque do patrocinador;
  • cópia do COS (certificate of sponsorship);
  • carta/Contrato da empresa do seu patrocinador;
  • cópia desse contrato;
  • certidão de casamento/união estável;
  • tradução juramentada dessa certidão;
  • cópia dos dois acima;
  • algumas fotos do casal, comprovando o tempo re relacionamento;
  • cópia colorida da primeira página do passaporte do patrocinador – no caso, gente, patrocinador é o marido/esposa;
  • cópia colorida do visto do patrocinador;
  • cópia colorida da carteira de permissão de residência;
  • últimos 30 dias de contas de luz/água do local que você vão morar;
  • cópia do contrato de aluguel da casa que vocês vão morar;
  • cópia do registro na polícia do seu patrocinador;
  • carta de negação de visto anterior – no meu caso.

Repare que eu coloco cópia de vários documentos que vão originais. Isso é porque eles retém alguns para arquivo e, caso você não queira que eles fiquem com algo original seu, forneça a cópia.

Aprovação e viagem

Depois que eu levei os documentos novos, algo me dizia que ia dar certo, mas eu ainda estava sentindo um cagacinho, porque os nossos comprovantes com as 630 libras era uma conta poupança e estávamos com medo de não ser aceito. Então, galera, é aceito. 🙂

Outra coisa que eu sentia um pouco de cagaço era em relação à entrega. Quando você recebe o visto, você tem que chegar na Inglaterra, pegar sua carteira de residência e registrar na polícia em um prazo de até o último dia do mês seguinte. Então eu estava apreensiva porque o visto, se chegasse no último dia, chegaria um dia antes do meu embarque, que seria em Brasília, ou seja. Hahahahaha! Mas acabou chegando dois dias úteis antes e foi só alegria! <3

Não teve muita pergunta na imigração. Só viram meu visto, perguntaram se era a primeira vez que eu entrava com ele e plau! Entrei!

Talvez tenha ficado a pergunta: por que não fez tudo através de uma agência especializada? É uma opção, claro. Mas a resposta é bem simples. Em janeiro do ano passado tentamos um visto duas vezes para a Índia, através de uma agência, e não conseguimos. Foi MUITO frustrante, então preferimos voar solo dessa vez.

Pra encerrar, espero ter conseguido ajudar, já que não consegui achar muita informação sobre isso sem ser direto no site do governo britânico, que não esclarece muito as coisas. Haha! É isso, então!

No Comments Yet.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

963 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress